terça-feira, 30 de março de 2010

Encontro Noturno



Siga-me pela escuridão
Admire a noite e a lua
Sinta o cheiro da liberdade
Ouça os cães ladrarem na rua

Caminhamos pela colina
Onde uivante é o vento
Deixe-o correr pelo seu corpo
Sem nenhuma pressa ou certo tempo

Repare na beleza do céu
Olhe cada ponto sintilante
E os mesmos são tão belos
Como o teu próprio semblante!

Aproxima-te de mim
Oh cândida donzela
Me abrace e sinta o meu perfume
Mesclado com o da noite singela

E se por um instante
Um ardente desejo lhe consome
Peço-lhe que não o reprima
Quando minha boca murmurar teu nome...

Se deixe levar pela volúpia noturna
E que as cobiças sejam o teu fervor
Pedaços de tecido são totalmente fúteis
Quando se chega a tal ponto no amor...

Nenhum comentário: