terça-feira, 25 de outubro de 2011

Lembrança





Seu olhar taciturno me queima
E perante a gélida brisa marca
Em meus ossos seus traços finos
Mesmo esquecida ainda estará ali...

De dentro para fora a tua lembrança
Cravada em meu corpo profundamente.
O vislumbre de teus lábios macios,
E sua pele refletindo a luz da lua.

Na dor da despedida de seu toque
Meu elástico espírito a leva
Consumindo toda e qualquer lembrança
Como consolo para sua injúria.

Restam laços frios e sensíveis
Sob o cheiro da noite intensificados
Memórias frágeis do toque de sua pele
Que marcou belos e inspiradores dias...

Início



No início de toda a penúria
Em que sentia-se o peso esmagador
A sádica intensidade me consumia
Ao contemplar seu amoroso palor...

E quando a intangibilidade
Macerava com sua mórbida presença
Linhas de sangue esvaiam-se
Cobrando fielmente sua sentença.

Todo o desejo livre e estagnado
Amordaçando o acaso pertubador
Queima em meu peito a tua imagem
Surge adiante tua face em vapor

No início o teu nome em meus sussurros,
Quando aos lábios me escapava o sentimento...
No início a minha ingênua esperança,
Aguardando aceitação por um momento...

sábado, 15 de outubro de 2011

Turva Beleza



Turva e lânguida beleza
De cores neutras e frias
Como doce chuva de inverno
Estimada em preciosas iguarias

Porque arqueja-me turva beleza,
Se em tão frágil seda me encontro?
Palpitante e fascinado de desejo
Absorvo-me, desfalecendo devaneio adentro...

Encontro-me em teu ser
Sem moderação, sem me conter
Perdido em sua imensidão...

Seu doce cheiro inalando
O ar dos pulmões se acabando
Bate em meu peito o seu coração...