terça-feira, 25 de outubro de 2011

Início



No início de toda a penúria
Em que sentia-se o peso esmagador
A sádica intensidade me consumia
Ao contemplar seu amoroso palor...

E quando a intangibilidade
Macerava com sua mórbida presença
Linhas de sangue esvaiam-se
Cobrando fielmente sua sentença.

Todo o desejo livre e estagnado
Amordaçando o acaso pertubador
Queima em meu peito a tua imagem
Surge adiante tua face em vapor

No início o teu nome em meus sussurros,
Quando aos lábios me escapava o sentimento...
No início a minha ingênua esperança,
Aguardando aceitação por um momento...

Nenhum comentário: